sexta-feira, 27 de março de 2009

feudalismo japonês

FEUDALISMO NO JAPÃO


A acumulação de grandes extensões de terra em mãos de particulares possibilitou a ascensão dos administradores locais, os Daimyo. À medida que suas terras eram removidas das listas de impostos, aumentava a renda dessa classe social. Gradualmente, os administradores começaram a repelir a interferência de funcionários provinciais e centrais, e criaram forças próprias para manter a ordem em suas áreas. Assim, o século X foi de completa desordem. Os aristocratas de Kyoto não tinham poder algum para fazer cumprir as ordens fora da capital, já que os antigos exércitos haviam degenerado e os novos tinham-se tornado uma espécie de asilo onde os nobres bem relacionados ocupavam sinecuras. Em alguns lugares, o próprio povo armava-se para proteger-se. Os "oficiais de pacificação" designados pelo poder central pouco podiam fazer, pois não contavam com o apoio local. Acelerou-se a fragmentação do poder. Em 1156 uma disputa sucessória trouxe os guerreiros rurais para a capital, onde se estabeleceram.
As grandes ligas de guerreiros eram chefiadas por famílias que se consideravam de ascendência imperial. Era prática enviar os filhos mais novos do imperador ao campo, quando não havia mais lugar para eles na corte; por determinação dos códigos, deviam mudar de nome após seis gerações; assim, no século X, os guerreiros se afiliaram a duas grandes ligas, lideradas pelas famílias Minamoto e Taira, que se diziam imperiais. A luta irrompeu em Kyoto em 1156 e 1159. A primeira guerra - a da era Hogen - foi provocada por uma disputa sucessória, após a morte do imperador Toba, que tentou levar ao trono seu quarto filho Goshirakawa em vez de permitir que seu filho mais velho, Konoe, permanecesse como imperador. Venceram os partidários de Goshirakawa e os líderes da oposição foram executados. Goshirakawa reinou até 1158, quando se retirou, começando a segunda guerra.
Unificação
No século XVI ainda perdurava a desordem e a desfragmentação no Japão, que chegou a ter, de 1335 a 1392, duas cortes imperiais. Mas, ao final do século XVI, alcançara substancial unificação, ou pelo menos a pacificação. Isso foi obra de três grandes generais: Oda Nobunaga, Toyotomi Hideyoshi e Tokugawa Ieyasu. Homens de grande capacidade militar criaram uma base estável para o exercíto da administração Tokugawa, que durou até 1867.
Do século XVII ao século XIX, o Japão permaneceu isolado do resto do mundo. O país passava por uma política de isolamento chamada Sakoku ("País fechado")(Parecido grosseiramente com a Coréia do Norte de hoje, "ninguém saía, ninguém entrava"). Durante esse tempo foi governado pelo clã Tokugawa. Devido a esse isolamento, o Japão não se industrializou junto com o resto do mundo e permaneceu na sociedade feudal do regime de Xogunato.(Ver Xogunato Tokugawa). Nesse período, a capital era Edo, a Tóquio de hoje. (Período Edo é o período que vai de 1603 a 1867, que caracteriza o governo Tokugawa).
Motivos do Isolamento
Não podemos deixar de citar as relações comerciais mantidas com a Holanda. Ao contrário dos portugueses, que queriam também catequizar os japoneses, os holandeses tinha apenas intenção comercial com o País do sol Nascente.
O Japão, além de ter sido governado por uma ditadura feudal que adotou uma política de isolamento, também teve outro motivo crucial para ter permanecido isolado até a década de 1850:
Interesses Econômicos Mundiais: O Japão só sofreu sua modernização no período em que ela aconteceu por causa da intervenção dos Estados Unidos. O interesse dos Estados Unidos em criar laços com o Japão estava ligado a necessidade de hegemonia dos EUA: Eles queriam aliados em pontos estratégicos da Ásia e do Pacífico. Antes disso, no contexto econômico do mundo, o que movimentava o comércio eram as especiarias, matérias primas, produtos vegetais tropicais e terras virgens. O Japão, sendo um país de território pequeno, formado por montanhas e planícies estreitas e com poucas terras cultiváveis, não atraía os comerciantes nem as potências colonialistas como os países tropicais.(Havia sim certa pressão para o comércio, pois o Japão era um ponto estratégico, com mercado consumidor em potencial).
Outro motivo dele ter se isolado e do governo Tokugawa ter fechado o país foi para proteger a hegemonia que o clã (Tokugawa) tinha e para manter a estabilidade que o Japão havia alcançado. Como assim? As potências européias, em suas lutas inacabáveis (de ordem religiosa, política, econômica, etc) estavam envolvendo a Ásia nesses conflitos. Lutavam para alcançar o "monopólio de relação comercial" (numa espécie de pacto colonial) com países como o Japão. Com o Japão já unificado e "em paz", os Tokugawa precisavam acabar com a vulnerabilidade do Japão, ou seja, tirá-lo do meio desse campo de batalha. Assim, expulsavam comerciantes e catequizadores e até proibiram a prática do cristianismo (que ameaçava a ordem vigente). Por isso, mais ou menos de 1637 a 1868, a Terra do Sol Nascente ficou isolada do resto do mundo. No período em que voltou a se abrir, o governo do clã Tokugawa acabou, e o Japão deixou de ter o Xogunato (Um tipo de ditadura feudal) para voltar aos moldes de Império. Essa transição em que o Japão se modernizou e houve um choque entre a cultura feudal japonesa e a cultura capitalista ocidental ficou conhecida como Revolução Meiji.
FONTE: wikipédia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário, sinta-se sempre a vontade para fazê-lo.

Postar um comentário